28 de jan de 2019

Após rompimento de barragem, diretor do DNOCS descarta possibilidade de contaminação do Rio São Francisco na Paraíba

Após o rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, que resultou em uma grande quantidade de mortos e desaparecidos, a insegurança sobre a repercussão do caso atinge todos os estados brasileiros. 
No entanto, segundo o diretor do DNOCS na Paraíba, Alberto Batista, é prematuro dizer se o estado será atingido por algum desdobramento do rompimento da barragem em Minas Gerais.
O mar de lama e de rejeitos que foi arrastado nas imediações de Brumadinho chegou até o rio Paraopeba, que banha o estado de Minas Gerais, e é um dos afluentes do Rio São Francisco.
Até mesmo a contaminação do Rio São Francisco, que está sendo cotada a possibilidade remota, poderá não afetar a Paraíba.
 Alberto Batista considera que “a distância é muito grande”, de Minas Gerais até a Paraíba, onde o Rio São Francisco chega através da Transposição. 
“Nós não temos elementos suficientes para dizer se vai afetar”, considera o diretor.
Apesar de descartar a contaminação do rio na Paraíba devido ao arrombamento da barragem de Brumadinho, Alberto Batista reconhece que “o risco existe, é natural que existe, é permanente”.
 Ele ainda explica que os órgãos de controle estão preocupadíssimos com a situação e devem iniciar providências de forma imediata para impedir qualquer repercussão do caso para outros estados.
 “A questão do são Francisco é a administração desse processo e também a conservação das matas ciliares”, destaca o diretor, lembrando que o fato de muitas cidades por onde passa o Rio São Francisco não terem saneamento básico também podem contribuir com a contaminação.


Na Paraíba, existem 39 barragens e a maioria delas é de responsabilidade do Departamento de Obras Contra as Secas (DNOCS). 

De acordo com Alberto Batista, diretor do DNOCS na Paraíba, “todas essas barragens são inspecionadas e monitoradas de seis em seis meses. Temos um controle muito rígido em relação a isso. 
Qualquer anomalia que tenha na barragem, nós detectamos e corrigimos”.

Ele revelou que as barragens na Paraíba apresentam o menor risco estipulado em uma variação que vai dos graus 1 a 3. “Sempre tem um arbusto, uma calha, um enroscamento que está desarrumado, mas nada que prejudique a estrutura da barragem”, detalhou Alberto Batista.

Além disso, ele ainda afirmou que “nossas barragens na Paraíba, inclusive no último relatório que saiu, nós estamos isentos de riscos de rompimento”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário